Homeopatia e a Pesquisa sobre o Cancro

Homeopatia e a Pesquisa sobre o Cancro

“Você não ouvirá isso nos jornais, mas o fato é que, na Índia, a homeopatia e a sua pesquisa trata milhares de casos de cancro.

E, de fato, mesmo que a grande média mantenha um silêncio ensurdecedor sobre a pesquisa, estudos financiados pelo governo dos EUA mostram que a homeopatia pode ser nossa melhor defesa contra o cancro. De acordo com os ensaios clínicos, vários remédios homeopáticos são tão eficazes quanto a quimioterapia e milhares de casos de câncer são tratados com o uso exclusivo de homeopatia. (veja abaixo)

O extraordinário sucesso dos remédios homeopáticos no cancro(que são diluídos centenas de vezes) e contra as doenças mais formidáveis é, em particular, demonstrado todos os dias em várias clínicas homeopáticas em Calcutá, na Índia.

Em um relatório sobre o trabalho da Fundação de Pesquisa Homeopática Prasanta Banerji, 21.888 pacientes com doenças malignas ( incluindo o cancro) foram tratados apenas com homeopatia, sem quimioterapia ou radioterapia, entre 1990 e 2005.

Segundo relatos clínicos, houve regressão completa do tumor em 19% dos casos (4.158 pacientes) e estabilização ou melhora em 21% dos casos (4.596 pacientes). Aqueles cujos tumores não evoluíram foram seguidos por dois a dez anos para monitorizar a melhora (1).

Isso sugere que a homeopatia sozinha é capaz de curar ou, pelo menos, estabilizar 40% de todos os cancros, uma taxa de sucesso que é igual aos melhores resultados alcançados com tratamentos convencionais e sem sofrer os efeitos. condições incapacitantes de quimioterapia e radioterapia.

Resultados confirmados por laboratórios independentes

Laboratórios independentes estudaram a homeopatia e a terapia homeopática desta Fundação Banerji, ou protocolo de Banerji. Dois dos remédios usados, Carcinosin (ou Carcinosinum) e Phytolacca decandra, demonstraram ser tão eficazes contra o cancro da mama quanto o Taxolâ prescrito em quimioterapia. (2)

Fundação de Pesquisa Homeopática Prasanta Banerji

Surpreendentemente, todos os tratamentos utilizados pela Fundação Banerji estão disponíveis na farmácia e a Ruta 6 (Ruta graveolens) é um dos poucos remédios prescritos regularmente. (3)

Para o desenvolvimento deste protocolo, a Fundação Banerji não hesitou em usar uma combinação de vários remédios homeopáticos e confiar em equipamentos de triagem de alta tecnologia. Essas duas práticas são contrárias à homeopatia unicista clássica, ou seja, quem busca o remédio único – não uma combinação de remédios – adaptado a um perfil individual de corpo / mente.

Outra clínica em Calcutá, o Advanced Homeopathic Healthcare Center, cuja pesquisa possui uma taxa de sucesso semelhante, em pacientes com cancro e tratados com homeopatia. Embora bem documentados, seus resultados não foram submetidos ao mesmo grau de validação científica da Fundação Prasanta Banerji.

Um começo de reconhecimento

O trabalho da Fundação Banerji começou a atrair a atenção dos ocidentais em 1995, quando a Dra. Prasanta Banerji e seu filho, Pratip Banerji, apresentaram na 5ª Conferência Internacional sobre Pesquisa do Cancro um estudo de dezasseis casos de tumor cerebral que regrediu através da homeopatia, usando apenas tratamentos homeopáticos. Na época, eles testaram em sua fundação desde 1992 esse tipo de remédio em pacientes com cancro. Eles disseram que atualmente tratam uma média de 120 pacientes por dia.

MD Anderson Cancer Center da Universidade do Texas (MDACC)

O Dr. Sen Pathak, professor de biologia celular e genética no MD Anderson Cancer Center da Universidade do Texas (MDACC) em Houston, entrou em contato com Banerji. Juntos, eles desenvolveram um ensaio para testar dois medicamentos homeopáticos, Ruta 6 e Calcarea Phosphorica 3X em 15 pacientes com tumores cerebrais. Seis deles que tinham ganglioma (um tipo de câncer no cérebro) tiveram seus tumores completamente regredidos. Em um estudo paralelo in vitro, os cientistas descobriram que os remédios induzem vias de sinalização para a morte de células cancerígenas. (4)

Os resultados são surpreendentes. Considera-se que um ganglioma é incurável. Das 10.000 pessoas diagnosticadas a cada ano com ganglioma maligno nos Estados Unidos, apenas metade ainda estava viva um ano depois e apenas 25% após dois anos. (5)

No MDACC, os cientistas ficaram tão impressionados com esses resultados que começaram a oferecer remédios homeopáticos para o cancro.

Em 1999, o Instituto Nacional do Câncer dos EUA (NCI) avaliou os efeitos do protocolo Banerji em dez pacientes com diferentes tipos de cancro. Em quatro casos de cancro do pulmão e esófago, os pesquisadores do NCI confirmaram respostas parciais aos remédios homeopáticos. Nenhum dos pacientes havia recebido tratamento anti-câncer convencional anteriormente.

NCI concluiu que havia evidência suficiente de eficácia para continuar a pesquisa sobre esse protocolo. Essa foi uma decisão marcante, porque foi a primeira vez que uma organização oficial de saúde nos Estados Unidos estava trabalhando em uma terapia alternativa, homeopatia e a sua pesquisa, para tratar o cancro. (6)”

A Homeopatia e o Cancro

“Resultados comprovados em laboratório

Para entender o mecanismo de ação dos tratamentos homeopáticos em células cancerígenas, oito cientistas do MDACC testaram quatro remédios em duas linhas celulares de câncer de mama em mulheres: Carcinosina em 30 CH, Conium maculatum em 3 CH, Phytolacca decandra em 200 CH e Thuya occidentalis em 30 CH.

Cerca de quinhentas células foram expostas a esses produtos, bem como a um placebo (o solvente não contém os ingredientes ativos dos remédios) por períodos de um a quatro dias. Este experimento foi repetido três vezes.

Com dois dos remédios, Carcinosina e Phytolacca Decandra, foram obtidas respostas de até 80%, evidência de apoteose ou morte celular e apenas 30% com o solvente-placebo. O efeito foi quase três vezes maior.

Além disso, quanto maiores as diluições, maior o efeito nas células, o que é consistente com as regras da homeopatia. De fato, os remédios são paradoxalmente mais ativos se a diluição for maior e se os períodos de exposição forem mais longos.

Os remédios causaram uma “cascata apoteótica” que interferiu no ciclo normal de crescimento das células cancerígenas. Ainda assim, os pesquisadores descobriram que as células saudáveis ​​circundantes não foram afetadas. Em outras palavras, os remédios homeopáticos têm como alvo apenas células cancerígenas, enquanto os medicamentos usados ​​na quimioterapia atacam todas as células que se multiplicam. Segundo eles, os efeitos de Carcinosina e Phytolacca foram tão potentes quanto os de Taxolâ, a droga mais frequentemente prescrita em quimioterapia para câncer de mama. (7)

O sucesso de Ruta na fase terminal

Embora Carcinosin e Phytolacca tenham sido comprovados em laboratório, muitos dos pacientes da Fundação Banerji estão tomando Ruta 6, que teve um tremendo sucesso em um estudo de 127 pacientes americanos com tumores cerebrais, metade deles entre eles no estágio IV, o estágio terminal antes da morte.

Pacientes Índia

Segundo a ressonância magnética ou a ressonância magnética, os tumores desapareceram completamente em 18 dos 127 pacientes em uso apenas de Ruta, sem terapia convencional adicional. Em outros nove pacientes, o tumor diminuiu significativamente. Esses tumores eram estáveis em cerca de metade dos pacientes, mas aumentaram em 27 pacientes. Em conclusão, a ação de Ruta foi benéfica, em maior ou menor grau, em cerca de 79% deles.

Em um estudo anterior da Fundação Banerji com pacientes que receberam Ruta, além da quimioterapia convencional para um tumor cerebral, 72% se beneficiaram mais ou menos com essa combinação, que comparou no estudo anterior, sugere que Ruta sozinho seria mais eficaz (ou certamente tão eficaz) quanto um produto de quimioterapia, sem desativar os efeitos colaterais. (8)

Em outro estudo de casos de tumores cerebrais (148 pacientes com ganglioma maligno e 144 com meningioma) tratados na Fundação Banerji entre 1996 e 2001, os 91 pacientes exclusivamente sob Ruta e Calcarea Phosphorica tiveram uma duração de a sobrevivência média de 92 meses, enquanto outros 11 pacientes tratados convencionalmente e recebendo homeopatia suplementada sobreviveram apenas 20 meses. Além disso, 7% dos pacientes com homeopatia isoladamente experimentaram remissão total do cancro, melhora de 60%, estabilização de 22% (o tumor não progrediu de uma maneira ou de outra) e 11% de piora. (9)

Uma enorme esperança para outros casos de cancro

Esses sucessos da homeopatia para curar o cancro dão esperança a todos os pesquisadores cuja mente é um mínimo aberto à medicina alternativa.

A Fundação Banerji não é a única clínica que adotou uma abordagem moderna da homeopatia, chamada homeopatia avançada. Pelo contrário, as façanhas da Fundação Banerji deram um grande impulso à criação de outras fundações sobre homeopatia na Índia. Seus resultados também são muito promissores. Compartilharei com vocês minhas descobertas mais recentes sobre este tópico em um próximo boletim de Saúde e Nutrição.

Enquanto isso, fica claro que as mentalidades ocidentais estão lutando para evoluir quando se trata de dar mais crédito à homeopatia e testar seu potencial para tratar doenças graves, como o cancro.

Observe que este artigo foi traduzido e adaptado de uma pesquisa conduzida pelo especialista Bryan Hubbard, publicado em sua versão original na revista em inglês.

WDDTY, maio de 2012. É parcialmente reproduzido aqui com permissão e graças à tradução de Catherine Sobecki.

Para sua saúde!

Jean-Marc Dupuis

Fontes deste artigo:

(1) Banerji, 2008

(2) International Journal of Oncology, 2010; 36: 395-403″

As informações contidas neste artigo são apenas para fins informativos e não podem ser consideradas como aconselhamento médico personalizado. Nenhum tratamento deve ser realizado apenas com base no conteúdo deste artigo e é altamente recomendável que o leitor consulte profissionais de saúde devidamente credenciados pelas autoridades de saúde para quaisquer questões relacionadas à sua saúde e bem-estar. O editor não é um fornecedor médico licenciado. O editor deste artigo não pratica de forma alguma actos médicos em si, nem qualquer outra profissão terapêutica, e é formalmente proibido de entrar num relacionamento de profissional de saúde com doentes que são seus leitores. Nenhuma das informações ou produtos mencionados neste site se destina a diagnosticar, tratar, mitigar ou curar qualquer doença.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on print
Print

Deixe uma resposta

Artigos relacionados que talvez aprecie.

Close Menu