Fitoterapia e Utilização de Fitoterápicos

A Fitoterapia e a Utilização dos Fitoterápicos

A fitoterapia e a utilização de fitoterápicos esta em franca expansão e reproduzo aqui um texto a esclarecer essa área.

“A FITOTERAPIA ENTRE ACADÉMICOS DAS CIÊNCIAS DA VIDA, a fitoterapia compreende a prática da utilização de plantas com fins medicinais para a prevenção, tratamento, e cura das mais diversas doenças. (MORAES; SANTANA, 2001).

As referências mais antigas da utilização de plantas com finalidade terapêutica datam de mais de sessenta mil anos . (LAINETTI; BRITO, 1980; REZENDE; COCCO, 2002).

No Brasil, povos africanos trouxeram consigo diversos tipos de plantas que, além de serem utilizadas em rituais religiosos, também apresentavam atividades farmacológicas. Já os índios que aqui viviam tinham o uso de plantas medicinais como algo de seu quotidiano e com a chegada dos europeus houve a difusão e a miscigenação do conhecimento sendo este passado de geração em geração. (MARTINS et al., 2000; LORENZI; MATOS, 2002).

Na Fitoterapia a utilização dos medicamentos fitoterápicos é aquele obtido exclusivamente de matéria prima vegetal livre de outras substâncias ativas. (LIMA; SOUZA, 2005).

Apresentações distintas podem ser empregadas para o desenvolvimento de produtos à base de compostos fitoterápicos, como cápsulas, comprimidos, gels, pomadas, soluções aquosas, hidro-alcoólicas e infusões. (FRANCISCO, 2010).

Assim como todos os medicamentos, os fitoterápicos são caracterizados pelo conhecimento da eficácia, riscos de seu uso, reprodutibilidade, constância de sua qualidade, eficácia e a segurança.

São validados através de levantamentos etno-farmacológicos, de utilização, documentações científicas, publicações indexadas, estudos pré-clínicos e clínicos, farmacológicos e toxicológicos .

Segundo a Organização Mundial de Saúde, 80% da população mundial faz uso de medicamentos derivados de plantas medicinais. No Brasil, relata- se que aproximados 92% das pessoas fizeram uso de alguma planta medicinal, destes 46% cultivam em casa, sendo que a comercialização representa um lucro em torno de 25% para as indústrias farmacêuticas (BRASIL, 2006a; ABIFISA, 2007).

O grande interesse mundial na busca por produtos oriundos de espécies vegetais põe em posição de destaque a região Amazónica, muito embora, outras biomassas brasileiras como as do Cerrado apresentem exemplares com possível potencial medicinal (GUARIM; MORAIS, 2003).

Os fitoterápicos na fitoterapia e a sua utilização aduzem atualmente como uma classe medicamentosa com grande potencial de propagação da fitoterapia no Brasil. O aumento da utilização de plantas medicinais pela população brasileira e por profissionais da saúde impulsionam áreas como a farmacologia na investigação e no desenvolvimento de produtos com finalidades curativas e preventivas (VIANA, 2011; FERREIRA et al.,2014).

Dentre as suas diretrizes destaca-se a elaboração da relação Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos para prover o acesso aos usuários do SUS. No mesmo ano, publicou-se a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos com o intuito de estabelecer estratégias para estimular os profissionais da saúde na promoção do uso racional, ao mesmo tempo em que fomenta os subsídios para as diretrizes que criam os serviços em caráter nacional pelas secretarias de saúde dos estados, distrito federal e dos municípios (BRASIL, 2006b).

Alguns autores como Santos e colaboradores (2011), consideram escassas as pesquisas, sobretudo mediante o aumento da busca por práticas integrativas junto ao seguimento terapêutico convencional, evidenciam, ainda, a necessidade de se expandir o conhecimento para académicos e profissionais da saúde para se promover uma fitoterapia segura e sólida com resultados eficazes. Andrea Moreira Bastos De Faria, et al. Revista Saúde e

Desenvolvimento| vol.11, n.9, 2017 201 Este estudo teve como intuito avaliar o conhecimento sobre plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos em uma instituição de ensino superior da Região Norte do Brasil, considerando discutir a importância da fitoterapia para a formação profissional dos cursos relacionados.

ANDREA MOREIRA BASTOS DE FARIA Farmacêutico graduados pelo Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná, Rondônia, Brasil.

TIAGO BARCELOS VALIATTI Farmacêutico graduados pelo Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná, Rondônia, Brasil.

AMANDA ALMEIDA DE OLIVEIRA Farmacêutico graduados pelo Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná, Rondônia, Brasil. J

EFERSON DE OLIVEIRA SALVI Farmacêutico, Mestre em Biologia Celular e Molecular Aplicada a Saúde, Docente do Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná, Rondônia, Brasil. “

As informações contidas neste artigo são apenas para fins informativos e não podem ser consideradas como aconselhamento médico personalizado. Nenhum tratamento deve ser realizado apenas com base no conteúdo deste artigo e é altamente recomendável que o leitor consulte profissionais de saúde devidamente credenciados pelas autoridades de saúde para quaisquer questões relacionadas à sua saúde e bem-estar. O editor não é um fornecedor médico licenciado. O editor deste artigo não pratica de forma alguma actos médicos em si, nem qualquer outra profissão terapêutica, e é formalmente proibido de entrar num relacionamento de profissional de saúde com doentes que são seus leitores. Nenhuma das informações ou produtos mencionados neste site se destina a diagnosticar, tratar, mitigar ou curar qualquer doença.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on print
Print

Deixe uma resposta

Artigos relacionados que talvez aprecie.

Close Menu